As negociações sindicais de 2016 prometem só incertezas. Nem empresas, nem sindicatos, muito menos os trabalhadores sabem para onde está indo o Brasil. Vai valer o SCC (Se Colar, Colou), vai valer o blefe, afinal pedir não é pecado. Muitos dos envolvidos nas negociações sairão como vilões ou como fracos, mas na verdade não são uma coisa nem outra. Apenas não tem mais direito a nada. O grande erro de todos é não abrir o jogo com os trabalhadores representados, ou empregados. Explicar o cenário, as perspectivas e as dificuldades de novos negócios. Sem novos negócios não há dinheiro e não haverá futuro. Não há como distribuir o que não se tem, e muito menos assumir compromissos em distribuir o que não se sabe se será viabilizado. Tratar empregados, filhos, ou liderados como ignorantes, incapazes de entender a complexidade das dificuldades os infantiliza e inviabiliza o futuro. Exatamente por isso vivemos  essa maldição de ganhar de vez em quando, e perder tudo que se ganhou em ciclos de 15/20 anos.

Não sabemos assumir erros, e por isso não conseguimos corrigir os erros.

Em resumo, assista o vídeo abaixo, e mude em sua mente, onde ouve America, ouça Brasil.

Em tempo, você não tem direito a nada, nunca teve, mas pensou que tinha.

Pensando Juntos

A Pauta do Amanhã

Antever cenários, identificar oportunidades, e apontar caminhos inovadores para gerar qualidade de vida, é a nossa missão

As negociações sindicais de 2016 prometem só incertezas. Nem empresas, nem sindicatos, muito menos os trabalhadores sabem para onde está indo o Brasil. Vai valer o SCC (Se Colar, Colou), vai valer o blefe, afinal pedir não é pecado. Muitos dos envolvidos nas negociações sairão como vilões ou como fracos, mas na verdade não são uma coisa nem outra. Apenas não tem mais direito a nada. O grande erro de todos é não abrir o jogo com os trabalhadores representados, ou empregados. Explicar o cenário, as perspectivas e as dificuldades de novos negócios. Sem novos negócios não há dinheiro e não haverá futuro. Não há como distribuir o que não se tem, e muito menos assumir compromissos em distribuir o que não se sabe se será viabilizado. Tratar empregados, filhos, ou liderados como ignorantes, incapazes de entender a complexidade das dificuldades os infantiliza e inviabiliza o futuro. Exatamente por isso vivemos  essa maldição de ganhar de vez em quando, e perder tudo que se ganhou em ciclos de 15/20 anos.

Não sabemos assumir erros, e por isso não conseguimos corrigir os erros.

Em resumo, assista o vídeo abaixo, e mude em sua mente, onde ouve America, ouça Brasil.

Em tempo, você não tem direito a nada, nunca teve, mas pensou que tinha.

14 fev 2016 - jornalista@paulosergiorosa.com